"É de Cultura como instrumento para a felicidade, como arma para o civismo, como via para o entendimento dos povos que vos quero falar"

Efemérides

Morte de Sarah Affonso

No dia 14 de dezembro de 1983 faleceu a pintora e ilustradora Sarah Affonso

Lisboa, 13 de maio de 1899 - Lisboa, 14 de dezembro de 1983

Nasce em Lisboa, passa infância e adolescência no Minho e nunca mais perde a ligação a essas  paisagens e costumes nortenhos. Memórias de festas, procissões, romarias que mais tarde irá transpor com cores vivas e luminosas para a sua obra. Dessa fase é o quadro “Casamento na Aldeia” de 1937.

Sarah Affonso estuda pintura na academia de Belas-Artes em Lisboa, onde é aluna de Columbano Bordalo Pinheiro e, antes de prosseguir estudos em Paris faz a sua primeira exposição na Sociedade de Belas Artes.

Na capital francesa conhece um outro mundo, outra mentalidade, uma outra pintura, que moldam o seu percurso enquanto artista e lhe acentuam o espírito independente que sobressai numa sociedade hostil às mulheres. Sarah é a primeira a frequentar o café Brasileira, no Chiado.

Das exposições individuais e coletivas guarda críticas positivas, mas em quase todas perpassa um certo tom paternalista. Sarah Affonso é também ilustradora de livros para crianças. São dela os desenhos de “A Menina do Mar” de Sophia de Mello Breyner Andresen. Chega a viver de trabalhos que realiza no tricot e bordado, cujos motivos populares irá depois reciclar na pintura.

Aos 35 anos casa-se com Almada Negreiros, modernista multifacetado cuja personalidade admirava. Um novo tema entra então na sua vida e nos seus quadros, a família. O retrato que fez de um dos filhos recebe o prémio Amadeo de Souza-Cardoso.

Apesar das influências que recebe de Almada, a linguagem pictória de Sarah Affonso mantem uma “poética da ingenuidade”, uma “figuração de raíz ingénua”.



 
Ilustrações do Livro "Mariazinha em África" de Fernanda de Castro (edição Empresa Literária Fluminense, Lisboa, 1925) 





 
 

Agenda
Ver mais eventos
Visitas
49,099,405
>